Discurso de Bolsonaro na ONU é criticado por diversos setores da sociedade

Discurso de Bolsonaro na ONU é criticado por diversos setores da sociedade

Presidente cumpriu, nesta terça-feira (21/9), a tradição de fazer o discurso de abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque. Ex-embaixador do Brasil em Washington, Rubens Barbosa, disse que Bolsonaro fez discurso para sua base interna, não para o mundo, e que perdeu a oportunidade de recuperar a credibilidade internacional do país.

Antes mesmo do início do discurso do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na abertura da 76ª Sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, na manhã desta terça-feira, 21 de setembro, o ‘clima’ no chat do YouTube da ONU já mostrava que a polarização brasileira havia migrado para o canal oficial de transmissão ao vivo do organismo multilateral. No espaço que transmitiria a reunião de líderes do mundo inteiro, destinado a discussões globais relevantes para o futuro, como redução da desigualdade e da fome, o fim de conflitos armados, o combate à crise climática e a retomada pós-covid, o que se via, pelas trocas de mensagens, era uma espécie de briga de torcidas.

Usando “emojis”, por exemplo, perfis postavam diversas mensagens que reconstruíam a imagem da bandeira do Brasil, trocando apenas a mensagem da área destinada à frase “Ordem e Progresso” ora por palavras contra, ora por palavras a favor do presidente brasileiro. A disputa se acirrou ainda mais durante o discurso de 12 minutos, no qual Jair Bolsonaro, representando a República Federativa do Brasil, apresentou dados distorcidos e até falsos do que ele chamou de “um novo Brasil (…), diferente daquilo (sic) publicado em jornais ou visto em televisões (…); um Brasil que estava à beira do socialismo”.

No Brasil apresentado por Bolsonaro, não existem mais “casos concretos de corrupção” há dois anos e meio, as estatais são lucrativas, a credibilidade internacional “está recuperada”, o modal ferroviário foi retomado (com 14 requerimentos de novas ferrovias e recursos privados na ordem de US$ 15 milhões), a economia está indo bem, a agricultura é “moderna, sustentável e de baixo carbono”, os povos indígenas “vivem em liberdade” em terras que ocupam 14% do território nacional, o desmatamento diminuiu e os empregos aumentaram em 2021, e o ano deve fechar com crescimento econômico de 5%. Segundo ele, “um Brasil que tem tudo o que um investidor procura: um grande mercado consumidor, excelentes serviços, tradição de respeito a contratos e confiança no nosso governo”.

Presidente usou técnica de discurso chamada ‘colheita de cerejas’

Em seu discurso, Bolsonaro usou uma estratégia de comunicação de dados chamada de “cherry picking” (colheita de cerejas), analisada por diversos cientistas que estudam técnicas de desinformação e negacionismo científico e climático. Segundo o cientista John Cook, fundador do website Skeptical Science e pesquisador da área, essa estratégia consiste em pinçar dados, seletivamente, para desafiar o consenso e construir uma narrativa própria. O presidente quis mostrar um Brasil defensor do meio ambiente, atuante na pandemia e atrativo para investidores.

Um exemplo disso envolveu os dados sobre a Amazônia, um ponto em que sofre duras críticas internacionais e nacionais, devido ao aumento de queimadas e desmatamento. Bolsonaro pinçou um dado específico, fora de contexto, para dar a entender que o desmatamento estaria diminuindo no Brasil. Ele mencionou um dado do sistema Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), apontando que a área sob alerta de desmatamento na Amazônia registrou uma queda de 32,45% em agosto de 2021 na comparação com o mesmo mês de 2020.

Para inocular argumentos construídos por meio do “cherry picking”, John Cook recomenda a contextualização dos dados apresentados frente à realidade que se impõe. Foi o que fez, por exemplo, André Guimarães, diretor-executivo do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), em entrevista concedida ao Jornal Hoje, da Rede Globo. Segundo ele, embora o dado apresentado por Bolsonaro esteja correto, reflete apenas um retrato pontual, não o que vêm acontecendo na prática. A área sob alerta de desmatamento de janeiro a junho de 2021 – que totaliza 3.609,74 km2 – foi a maior para o período dos últimos seis anos.

“É verdade que tivemos pequena redução no desmatamento em agosto; é verdade que o Brasil preserva ou pelo menos mantém boa parte da sua cobertura vegetal nativa, mas é importante também a gente dizer que nós tivemos um aumento do desmatamento, nos últimos três anos, em relação a um período semelhante anterior. O desmatamento na Amazônia e no Cerrado subiu de patamar nos últimos três anos, ou seja, nós temos uma assimetria entre o discurso e a prática”, disse Guimarães.

Ao longo do dia, o discurso do presidente repercutiu negativamente na imprensa nacional e internacional e outros especialistas, como economistas, embaixadores, epidemiologistas e ambientalistas foram esclarecendo, ponto a ponto, as diferenças entre o discurso e a prática.

Bolsonaro anuncia neutralidade climática para 2050

Com relação aos compromissos relacionados à questão climática, às vésperas da Conferência do Clima, Jair Bolsonaro enfatizou que o Brasil antecipou de 2060 para 2050 o objetivo de alcançar a neutralidade climática, o que representa um avanço frente ao que está colocado no compromisso brasileiro formalmente protocolado na ONU – a chamada NDC (sigla em inglês para Contribuições Nacionalmente Determinadas). Porém, de acordo com o site Fakebook.eco, pelo menos até agora esse compromisso é só verbal. Bolsonaro não mencionou se apresentará uma NDC brasileira com metas mais ambiciosas de redução das emissões de gases de efeito estufa no Brasil, para atender ao apelo, realizado pelo presidente da COP26, Alok Sharma, a todos os chefes de Estado. Bolsonaro se limitou a dizer que, durante a COP26, o governo brasileiro buscará consenso sobre as regras de mercado de crédito de carbono global. “Esperamos que os países industrializados cumpram efetivamente seus compromissos com o financiamento de clima em volumes relevantes”, afirmou.

Ainda sobre a questão ambiental e climática, Bolsonaro reiterou que o Brasil é um exemplo na geração de energia. Também exaltou que o futuro do emprego verde está no Brasil, com “energia renovável, agricultura sustentável, indústria de baixa emissão, saneamento básico, tratamento de resíduos e turismo”. Segundo ele, “os recursos humanos e financeiros destinados ao fortalecimento dos órgãos ambientais foram dobrados, com vistas a zerar o desmatamento ilegal”.

Embora o governo tenha aumentado a previsão de gastos com a fiscalização ambiental em 2021, conforme checagem feita pelo site Fakebook.eco, faltando três meses para o final do ano, apenas 13,4% (R$ 33,64 milhões) do valor previsto para o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) foi executado. A diferença entre a dotação orçamentária e os valores liquidados também é expressiva no ICMBio, que já liquidou, até o dia 20 de setembro, R$ 34,86 milhões dos R$ 74,28 milhões previstos para o ano.

Presidente defendeu tratamento precoce diante do mundo

No discurso da ONU, embora tenha reconhecido a importância da vacina e exaltado os números da vacinação no Brasil – com 140 milhões de brasileiros já vacinados pelo menos com a primeira dose –, Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra a COVID-19. Esse tipo de tratamento teve a ineficácia reiteradamente comprovada por estudos publicados nas revistas científicas mais prestigiadas do mundo, como a The Lancet. Bolsonaro também responsabilizou prefeitos e governadores, associando o aumento da inflação, principalmente em gêneros alimentícios, às medidas de isolamento social e lockdown adotadas pelos governos municipais e estaduais para afastar o risco de expansão do vírus. Ele disse apoiar a vacinação, embora afirme não ter se vacinado, e criticou o passaporte sanitário, como muitos países estão adotando para se proteger da pandemia.

O fato de não estar vacinado causou saia justa tanto em Nova Iorque quanto na ONU. A presença de pessoas em locais fechados, como bares e restaurantes, só é permitida em Nova Iorque com a comprovação da vacinação. O prefeito da cidade, Bill de Blasio, criticou Bolsonaro publicamente por mais de uma vez, primeiro, dizendo que ele não era bem-vindo por não estar vacinado, e em outro momento, oferecendo vacina ao presidente nos postos gratuitos de vacinação próximo à sede da ONU na cidade, por meio das redes sociais.

Na noite do tradicional discurso do Brasil na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em 21 de setembro, o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, que integra a delegação brasileira, testou positivo para a COVID-19. Ele ficará 14 dias em isolamento antes de retornar ao Brasil. A agenda oficial da delegação brasileira em Nova Iorque foi cancelada pelo Itamaraty.

Compartilhe:

Outras notícias